A Grande Viagem do Pequeno Mi

A Grande Viagem do Pequeno Mi - Espetáculo- oficina de dança, música, literatura e ilustração.

Em cima de uma grande mesa, uma bailarina dança e uma música canta e toca. O público, sentado à volta, observa as duas de perto. Elas dançam, cantam e tocam para que este decifre como são e de onde vêm os seus passos, os seus gestos, a sua figura em movimento. Como se juntam aspetos do que as artistas veem no momento em que dançam e tocam para um grupo de adultos e crianças, com os micro movimentos, olhares e poses do público enquanto observa?
Mi, neste caso, é uma abreviação de micro movimento. Ou seja, a fonte que sustenta todo o espetáculo. Um espetáculo sobre o poder da imaginação inspirado na obra de Sandro William Junqueira com ilustrações de Rachel Caiano.

Criação | Madalena Victorino
Co- criação e interpretação | Ana Raquel e Beatriz Marques Dias
Livros | A grande viagem do pequeno Mi de Sandro William Junqueira e Rachel Caiano; Labirinto de Regina Guimarães e João Alves; OH! de Josse Goffin
Fotografias | João Mariano e Rita Santana
Vídeo | Miguel Mares
Coprodução: Casa d’Avenida de Setúbal
Apoio à circulação nacional: Direção Geral das Artes


Madalena Victorino
Estudou dança contemporânea, composição coreográfica e pedagogia das artes. Fez a sua formação no The Place / London School of Contemporary Dance, no Laban Centre/Goldsmithʼs College, University of London e na Exeter University nos anos 70 e 80 no Reino Unido.
O seu trabalho tem se evidenciado pela criação de projectos que se vocacionam para a aproximação entre discurso, prática e experiência artísticas e a sociedade nas suas múltiplas transversalidades.

Ana Raquel
Licenciatura em Saxofone (2012) e Mestrado em Ensino da Música (2014), pela Escola Superior de Música de Lisboa (E.S.M.L.). Entre 2010 e 2011 estudou no Conservatorio di Musica “Giuseppe Verdi” di Milano com o saxofonista Mario Marzi. Frequentou vários workshops e masterclasses com saxofonistas como A.F.Belijar (Espanha), C.Delangle (França), A.Bornkamp (Holanda), M.Weiss (Suíça), Dele Sosimi (Inglaterra), entre outros. Frequentou workshops de SoundPainting com Walter Thompson, de Técnica de Alexander com Patrícia Gavinho e do Sentido Cómico do Corpocom Ricardo Puccetti. 
Teve várias formações em música para a infância do Projecto GermInArte, financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian. Entre 2009 e 2017 lecionou saxofone, música de câmara, formação musical, coro, música no pré-escolar e 1a infância na Ourearte (Ourém), no Coral Luísa Todi, no Conservatório de Lisboa, na Escola de Música do Conservatório Nacional e na Escola das Artes do Alentejo Litoral (E.A.A.L.) em Sines.

Beatriz Marques Dias
(1997, Caldas da Rainha). Licenciada em Dança, pela Escola Superior de Dança de Lisboa (2018). Paralelamente à licenciatura frequentou vários workshops e laboratórios, com Miguel Pereira, Francisco Camacho, Vânia Rovisco e Sofia Dias. Participou como intérprete em "Estação Terminal" (2016) e “Eva Poro” (2019) de Madalena Victorino, "Isto não é o meu corpo" (2018) de Diana Niepce, "Corbeaux" de Bouchra Ouizguen (Alkantara 2018) e como intérprete/figurante em "Repertório para Cadeiras, Figurantes e Figurinos" de Miguel Pereira (Cumplicidades 2018). Em 2019 cocriou com Rita Pedro, filósofa e especialista em filosofia com crianças, a peça “a pensar morreu um burro”, produção Comédias do Minho.